Suicídio de funcionário por assédio do poder na Toyota

Publicado em 7 de junho de 2021, em Sociedade

O caso foi certificado como relacionado ao trabalho e a montadora japonesa reconheceu a ocorrência.

Neste Artigo:
&nbspSuicídio de funcionário por assédio do poder na Toyota
Imagem ilustrativa de homem com depressão (Flickr)

O jornal Asahi publicou na segunda-feira (7) que a família enlutada, do então funcionário da montadora Toyota, na época com 28 anos, o qual cometeu suicídio pelo assédio do poder, desistiu de processá-la.

Publicidade

O suicídio foi em 2017 e depois a causa da morte foi reconhecida como relacionada ao trabalho, pela inspetoria das normas do trabalho. A família enlutada estava buscando indenização por danos e prevenção da recorrência, mas reconsiderou a postura da Toyota em revisar o sistema de gestão de pessoal. Assim, o acordo não deu origem a um processo.

O acordo foi firmado em 7 de abril deste ano. Segundo a Toyota e com o advogado da família enlutada, de Osaka, a montadora admitiu ter violado as obrigações de consideração de segurança, como negligenciar a responsabilidade da supervisão de seu chefe. Assim, irá pagar um valor pelo acordo (não divulgado). 

O CEO da Toyota, Akio Toyoda, se reuniu com a família enlutada em novembro de 2019 e em abril deste ano para o pedido de desculpas.  

Avaliação da humanidade dos chefes

Segundo a Toyota, acelerou a implementação da medida de prevenção ao assédio do poder, mudando os critérios de avaliação dos chefes, dando ênfase na humanidade. Introduziu a avaliação chamada de Feedback de 360 Graus, onde o chefe é avaliado por dezenas de pessoas de dentro e de fora da empresa.

Os alvos são cerca de 10 mil gerentes, com análise da humanidade através de várias perspectivas. Se for julgado que não é adequado, não será atribuído o cargo. Este ano, a política é expandir o público-alvo para cerca de 20 mil, incluindo chefes de subdivisões.

Além disso, foi criado um balcão de consultoria independente que não pertence a nenhum departamento, para que seja fácil levantar a voz ao sofrer assédio do poder.

Também criou um sistema de consulta anônima a partir da rede interna de internet. Ao receber uma consulta inicia-se uma investigação detalhada. Foi criado um centro de atendimento com psiquiatras.  

Funcionário era pós-graduado mas xingado pelo superior

O funcionário, vítima do assédio, ingressou na empresa em abril de 2015, após se formar na pós-graduação da Universidade de Tóquio. Em março do ano seguinte, foi designado para o departamento responsável pelo design de veículos na sede, em Toyota (Aichi).

O superior imediato o xingava dizendo “estúpido” ou “idiota”. Ainda teria dito repetidamente “se não consegue explicar isto deveria morrer”. Além disso, teria sido chamado pelo chefe, quando teria ouvido “por acaso não gravou o que disse, não é. Me dê seu smartphone”. Em julho desse ano, o funcionário pediu licença para se tratar.

Fonte: Asahi 


Vamos comentar?

Outras Notícias

.
Passagens Aereas para o Brasil
Casa Própria no Japão
Produtos Brasileiros no Japão
Empregos no Japão - Konishi Sangyo
Fujiarte - Empregos no Japão
FUJIARTE - Empregos no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Empregos no Japão
ISA - Empregos no Japão