Mais de 40% de suplementos falham em testes de solubilidade realizados por órgão do governo

Publicado em 28 de novembro de 2019, em Sociedade e atualizado em 2 de dezembro de 2019 as 11:04 PM

As descobertas mostram que os nutrientes concentrados contidos nos comprimidos e pílulas de suplementos podem não estar sendo absorvidos.

Neste Artigo:
&nbspMais de 40% de suplementos falham em testes de solubilidade realizados por órgão do governo
Ilustrativa (banco de imagens PM)

Constatou-se que uma proporção significativa de suplementos alimentares pode ser ineficaz, após ter sido descoberto que mais de 40% de 100 tipos dos produtos que foram testados pelo Centro Nacional de Assuntos do Consumidor do Japão não dissolvem na água dentro do limite de tempo estabelecido para medicamentos convencionais.

Publicidade

As descobertas mostram que os corpos das pessoas podem não estar absorvendo os nutrientes concentrados contidos nos comprimidos e pílulas de suplementos. O centro pediu precaução e disse que “não é sempre o caso que suplementos são da mesma qualidade dos produtos médicos”.

Suplementos são classificados como itens alimentares. Padrões existem para exibição de informação nutricional naqueles considerados Alimentos com Créditos de Funções de Nutrientes, e Alimentos com Créditos Funcionais devem ser apresentados à Agência de Assuntos do Consumidor, mas tais alimentos não estão sujeitos às mesmas exigências rigorosas que os produtos farmacêuticos. Eles também não precisam de permissão do governo para serem colocados à venda.

Em 2000, o Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar flexibilizou controles sobre os formatos que os medicamentos podem vir, e aprovou a produção de produtos alimentícios que lembram os medicinais. Essas decisões parecem ter impulsionado uma expansão no mercado de suplementos na forma de pílulas e comprimidos.

&nbspMais de 40% de suplementos falham em testes de solubilidade realizados por órgão do governo
Os 100 suplementos testados pelo Centro Nacional do Japão de Assuntos do Consumidor são vistos na imagem acima (via Mainichi)

Ao longo de setembro de outubro de 2018, o centro selecionou um total de 100 produtos consistindo de 10 tipos diferentes de suplementos, incluindo multivitamínicos, GABA (ácido gama-aminobutírico), vinagre preto e coenzima Q para testes. Eles foram escolhidos com base em investigações realizadas pelo centro de que eles eram os mais disponibilizados nas prateleiras e na internet.

Produtos farmacêuticos devem dissolver na água dentro de 30 minutos se eles forem comprimidos duros não revestidos. Aqueles revestidos em açúcar ou outras soluções têm 60 minutos para se dissolver, e cápsulas devem dissolver dentro de 20 minutos.

Mas esses testes realizados pelo centro mostraram que 42 produtos não se dissolveram dentro dos limites de tempo. Os comprimidos não revestidos mostraram resultados particularmente ruins, com 14 dos 26 que foram escolhidos não se dissolvendo no tempo.

Além disso, de 64 produtos testados que já haviam sido abertos e parte de seu conteúdo usado, metade não se dissolveu dentro dos limites de tempo exigidos para itens farmacêuticos. A proporção de sucesso foi um pouco pior do que os de produtos não abertos.

Entretanto, em uma pesquisa conduzida durante o mesmo período com cerca de 10 mil consumidores, 74% dos entrevistados disseram acreditar que os suplementos têm fiscalização rígida, e 20% disseram que eles os tomam para aliviar sintomas quando estão doentes. Cerca de 10% pareceram estar confusos sobre a distinção entre medicamentos e suplementos.

Satoshi Ono, chefe do centro de pesquisa clínica no Hospital Universitário de Shimane, disse que “se suplementos saem do corpo assim como entram, então é uma desonestidade às expectativas do consumidor. As fabricantes desses produtos deveriam mostrar evidência de que seus componentes eficazes se dissolvem completamente e são absorvidos”.

Organizações relacionadas à produção de suplementos aceitaram os resultados com níveis variantes de entusiasmo. A Japan Health and Nutrition Food Association, um órgão industrial, respondeu dizendo que os testes do tempo de dissolução dos suplementos deveriam ser obrigatórios, e que procederá com o desenvolvimento de suas próprias normas voluntárias.

Mas enquanto um outro órgão industrial, a Japan Alliance of Health Food Associations, está considerando se desenvolverá tais padrões voluntários, ela se opôs à maneira que os testes foram realizados. Ela disse que “faz parecer que os suplementos devem ser julgados no mesmo nível dos medicamentos, o que faz os consumidores interpretarem mal as diferenças”.

Fonte: Mainichi


Vamos comentar?

Outras Notícias

.
Passagens Aereas para o Brasil
Casa Própria no Japão
Produtos Brasileiros no Japão
Produtos Brasileiros no Japão - Mugen Foods
Empregos no Japão - Konishi Sangyo
Fujiarte - Empregos no Japão
FUJIARTE - Empregos no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Empregos no Japão - Good Support!!
Easy Car Ride, carros e financiamentos
UNIP - Faculdade a distância no Japão