Carta enviada para Donald Trump era envenenada; FBI prende suspeita

Publicado em 21 de setembro de 2020, em Notícias do Mundo

FBI prende suspeita de ter enviado carta ao presidente Donald Trump que continha veneno extremamente mortal.

Neste Artigo:
&nbspCarta enviada para Donald Trump era envenenada; FBI prende suspeita
Imagem Ilustrativa

Na semana passada, a Casa Branca recebeu uma carta endereçada ao presidente Donald Trump que continha ricina, um veneno extremamente letal. O FBI havia anunciado que iniciou as investigações em busca do responsável pela carta.

Publicidade

No dia 20 (horário local), muitas mídias americanas relataram que as autoridades prenderam uma mulher suspeita de ter enviado a carta. Segundo os noticiários, a mulher foi presa ao tentar ultrapassar a fronteira dos EUA e Canadá. Naquele momento, ela portava uma arma.

Desde o dia 19, a Real Polícia Montada do Canadá está ajudando o FBI com as investigações. No dia da detenção da suspeita, a polícia canadense comentou que “não está na posição de comentar sobre as notícias relacionadas à prisão”.

Segundo as autoridades americanas, diversos “pacotes” parecidos com ao enviado à Casa Branca foram encontradas no Texas, e se suspeita que vieram do mesmo remetente no Canadá.

Em entrevista para a CNN, o Ministério de Segurança Pública do Canadá declarou: “Reconhecemos que os pacotes com ricina foram enviados a diversas agências governamentais das Nações Unidas. As autoridades judiciais do Canadá estão cooperando rigorosamente com as autoridades americanas.”

Todos os itens enviados à Casa Branca passam por uma verificação prévia em outra instalação antes de chegarem à residência oficial do presidente.

Fonte: CNN


Vamos comentar?

Outras Notícias

.
Passagens Aereas para o Brasil
Casa Própria no Japão
Produtos Brasileiros no Japão
Produtos Brasileiros no Japão - Mugen Foods
Empregos no Japão - Konishi Sangyo
Fujiarte - Empregos no Japão
FUJIARTE - Empregos no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Produtos Brasileiros no Japão