Covid-19: estudos em Israel e Holanda afirmam progresso em ensaios com anticorpos

Publicado em 6 de maio de 2020, em Notícias do Mundo

Cientistas apreciam ‘passo inicial’ rumo ao desenvolvimento de anticorpo para tratar ou prevenir coronavírus.

Neste Artigo:
&nbspCovid-19: estudos em Israel e Holanda afirmam progresso em ensaios com anticorpos
Cientista manipulando tubos em laboratório (ilustrativa/PM)

Estudos separados em Israel e na Holanda afirmam ter criado anticorpos que podem bloquear a infecção por coronavírus, um futuro tratamento em potencial promovido como divisor de águas até que uma vacina se torne disponível.

Publicidade

Uma equipe de cientistas liderada por holandeses disse que conseguiu deter infecção em cenário de  laboratório. Ao mesmo tempo, o ministro da defesa israelense anunciou que um centro de pesquisa estatal havia desenvolvido um anticorpo que ele afirmou que poderia “neutralizar (o coronavírus) dentro dos corpos do portador”. Entretanto, o The Guardian entendeu que o anticorpo ainda não foi testado em humanos.

Ambos os esforços, que estão em seus estágios iniciais, esperam eventualmente tratar ou prevenir o desenvolvimento da doença respiratória Covid-19 causada pelo novo coronavírus e deter a propagação da pandemia.

“Tal anticorpo neutralizante tem o potencial de alterar o curso de infecção no portador infectado, dar suporte à remoção do vírus ou proteger um indivíduo não infectado que é exposto ao vírus”, disse Berend-Jan Bosch da Universidade Utrecht na Holanda.

A pesquisa, publicada no jornal Nature Communications na segunda-feira (4), observou anticorpos desenvolvidos para combater o surto de SARS entre 2002 e 2004, também causado por um tipo de coronavírus. Ela diz que identificou um anticorpo que também foi eficaz contra o atual vírus, oficialmente chamado de SARS-CoV-2.

Cientistas na Universidade de Utrecht, o Centro Médico Erasmus e a companhia biofarmacêutica global Harbour BioMed (HBM), o descreveram como um “passo inicial rumo ao desenvolvimento de um anticorpo plenamente humano para tratar ou prevenir” a Covid-19.

“Essa é uma pesquisa inovadora”, disse Jingsong Wang, CEO da HBM, mas acrescentou: “Muito mais trabalho é necessário para avaliar se esse anticorpo pode proteger ou reduzir a gravidade da doença em humanos”.

O estudo foi recebido com otimismo cauteloso por vários especialistas.

Jane Osbourn, chefe da BioIndustry Association do Reino Unido (BIA) que recebeu uma OBE no ano passado por sua pesquisa de anticorpos, disse que o estudo “poderia ser uma parte valiosa do arsenal futuro de opções para desenvolvimento”.

James Gill, professor clínico honorário na Escola Médica de Warwick, disse que isso revelou “uma potencial descoberta divisora de águas em relação à Covid-19”. Entretanto, ele alertou que ainda era muito cedo para declarar vitória.

“Simplesmente porque encontramos um anticorpo que neutraliza um vírus em grupo de células em uma placa de Petri de laboratório não significa que podemos esperar as mesmas respostas em pacientes, nem esperar ver uma mudança positiva na condição clínica de um paciente”, disse ele. Mas isso certamente é uma descoberta muito promissora, vindo de uma abordagem científica robusta e deveria ser vista como razão para otimismo”.

Em Israel, o ministro da defesa, Naftali Bennet, afirmou que pesquisadores haviam feito um “avanço significante”.

O Instituto de Israel de Pesquisa Biológica (IIBR) havia criado anticorpos que poderiam vencer o coronavírus dentro de corpos humanos, disse ele em uma declaração.

Pesquisadores já estavam agindo para patentear os anticorpos, e o IIBR estava buscando produzi-lo em massa, disse a declaração.

O ministério da defesa posteriormente disse em uma declaração separada que cientistas disseram que o IIBR acreditava que o processo normal de testes e aprovações regulatórias poderiam ser reduzidos para “vários meses”.

Tanto estudos em Israel como na Holanda usam anticorpos monoclonais, que são proteínas criadas em laboratório que lembram anticorpos que ocorrem naturalmente os quais formam o sistema imunológico. Os anticorpos funcionam ao se combinarem com o vírus, identificando-o para ser destruído.

Cerca de outros 100 grupos de pesquisa em todo o mundo estão buscando vacinas, as quais ofereceriam imunidade contra a infecção.

Fonte: The Guardian


Vamos comentar?

Outras Notícias

.
Passagens Aereas para o Brasil
Casa Própria no Japão
Produtos Brasileiros no Japão
Produtos Brasileiros no Japão - Mugen Foods
Empregos no Japão - Konishi Sangyo
Fujiarte - Empregos no Japão
FUJIARTE - Empregos no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Kumon - estude japonês por correspondência!
Produtos Brasileiros no Japão