Ministra da Justiça rebate ao pronunciamento de Carlos Ghosn

Publicado em 9 de janeiro de 2020, em Notícias do Mundo

A Ministra da Justiça do Japão realizou a segunda coletiva de imprensa para rebater o que disse o ex-executivo da Nissan, no pronunciamento da noite anterior.

Neste Artigo:
&nbspMinistra da Justiça rebate ao pronunciamento de Carlos Ghosn
Ministra Mori (ANN)

O pronunciamento de Carlos Ghosn, de Beiurte, na noite de quarta-feira (8), gerou mal estar entre as autoridades do Japão.

Publicidade

A Ministra da Justiça, Masako Mori, realizou uma segunda coletiva de imprensa na manhã de quinta-feira (9) para contestar as severas críticas do ex-executivo da Nissan, acusado de violação de confiança e de subnotificação de sua renda.  

Para rebater o que disse em relação ao judiciário japonês, a ministra enfatizou “se é inocente deve passar confiantemente pelo tribunal”. Também mandou o recado para que apresente as provas concretas.

“A maioria das críticas é abstrata e sem fundamento”, disse ela em relação ao que listou Ghosn na frente dos jornalistas. 

Explicou “os promotores japoneses estabeleceram uma prática de processar pela primeira vez quando há uma alta probabilidade do réu ser condenado por evidências precisas. Os juízes julgam de um ponto de vista neutro e imparcial”. Sob seu ponto de vista o que Carlos Ghosn criticou “é abstrato, obscuro ou infundado”. 

Para Mori a fuga dele foi “um ato criminoso e lamento”. 

Outro se defende “é unilateral e pouco convincente”

Quem disse essa frase acima foi o Secretário Chefe de Gabinete, Yoshihide Suga, após o pronunciamento de Ghosn, igualmente na manhã de quinta-feira.

&nbspMinistra da Justiça rebate ao pronunciamento de Carlos Ghosn
Carlos Ghosn durante coletiva de imprensa (transmissão ao vivo pela CNBC Television)

“O sistema de justiça criminal do Japão está operando com procedimentos adequados para esclarecer a verdade do caso e garantir os direitos humanos básicos dos indivíduos”, apontou Suga.

A ministra também falou que sabe que não será fácil conseguir conduzir o julgamento dele no Japão, mas que o governo persistirá. O mesmo foi citado por Suga “o governo continuará a trabalhar em estreita colaboração com países e organizações internacionais relacionados. Tomaremos todas as medidas possíveis para garantir que os procedimentos criminais sejam realizados adequadamente no Japão”. 

Ministério Público também contesta

O Ministério Público divulgou uma nota enfatizando que “procedeu adequadamente a uma investigação em conformidade com as leis do Japão”, entre outras palavras.

Finalizou informando que “o réu Ghosn ignorou a lei japonesa, odiava ser punido e fugiu do país. Este órgão pretende tomar todas as medidas possíveis em cooperação com organizações relacionadas para levar o réu Ghosn a julgamento no Japão”. 

Enfim, sem a volta de Carlos Ghosn não ocorrerá julgamento, pois nada se pode fazer sem o réu. Portanto, é quase certo que com essa fuga cinematográfica do Japão para o Líbano, o caso do que foi o titã da indústria automobilística, fique cravado na história, mas sem ponto final.

Notícias relacionadas:

Fontes: ANN, NHK e NLab


Vamos comentar?

Outras Notícias

.
Passagens Aereas para o Brasil
Casa Própria no Japão
Produtos Brasileiros no Japão
Produtos Brasileiros no Japão - Mugen Foods
Empregos no Japão - Konishi Sangyo
Fujiarte - Empregos no Japão
FUJIARTE - Empregos no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Empregos no Japão - Good Support!!
Easy Car Ride, carros e financiamentos
Kumon - estude japonês por correspondência!