Excesso de alpinistas causa congestionamento e mortes no Monte Everest

Publicado em 28 de maio de 2019, em Notícias do Mundo

Mais de 200 alpinistas morreram no pico desde 1922, quando as primeiras fatalidades no Everest começaram a ser registradas.

Neste Artigo:
&nbspExcesso de alpinistas causa congestionamento e mortes no Monte Everest
Excesso de alpinistas no monte mais alto do mundo (NHK)

Um outro alpinista morreu após alcançar o pico do Monte Everest, levando para 11 o número de mortos na temporada de escalada do ano de 2019.

Publicidade

O advogado americano Chistopher John Kulish, de 62 anos, morreu na segunda-feira (27) após chegar ao pico do Everest no lado nepalês da montanha pela manhã, disse Meera Acharya, diretora do departamento de turismo do Nepal.

Também na segunda-feira, uma família austríaca confirmou a morte de um de seus familiares. Ernst Landgraf, de 64 anos, que morreu em 23 de maio, horas após conquistar seu sonho de escalar o Everest.

Alpinistas apontam condições climáticas difíceis, falta de experiência e crescente comércio de expedições como fatores contribuintes ao acúmulo.

O alpinista Robin Haynes Fisher foi um dos que havia alertado sobre os perigos do excesso de alpinistas.

Fisher escreveu em seu último post na mídia social que “com uma única rota até o pico, atrasos causados pelo excesso de alpinistas provaram ser fatais”.

Durante a semana com início em 20 de maio, multidões de alpinistas ficaram presos em uma fila em direção ao cume, acima do acampamento mais alto da montanha, a 8.000 metros. O Monte Everest tem 8.848 metros de altura.

Grande parte das pessoas pode passar apenas uma questão de minutos no pico sem fornecimentos extras de oxigênio e a área onde os alpinistas têm sofrido atraso é conhecida por muitos como “zona da morte”.

O guia de montanhas Adrian Ballinger disse que muitos veem o Everest como “desafio máximo”, mas o problema que ele tem observado é o “nível baixo de experiência dos alpinistas que tentam chegar aqui e também as empresas que estão tentando oferecer serviços na montanha”.

Mais de 200 alpinistas morreram no pico desde 1922, quando as primeiras fatalidades no Everest começaram a ser registradas. Acredita-se que a maioria dos corpos continua sob glaciares ou neve.

Especialistas disseram que o governo nepalês, o qual emite uma permissão para escalar o Monte Everest, deveria limitar o número de alpinistas e verificar a experiência e condições de saúde de quem pretende se aventurar na montanha.

Fonte: NHK, CNN


Vamos comentar?

Outras Notícias

.
Passagens Aereas para o Brasil
Casa Própria no Japão
Produtos Brasileiros no Japão
Produtos Brasileiros no Japão - Mugen Foods
Empregos no Japão - Konishi Sangyo
Fujiarte - Empregos no Japão
FUJIARTE - Empregos no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Empregos no Japão - Good Support!!
Kumon - Estude japonês!