Primeira brasileira a estrear no K-Pop

Publicado em 16 de outubro de 2020, em Ásia

É a primeira brasileira a estrear em um grupo musical sul-coreano, junto com mais uma estrangeira.

Neste Artigo:
&nbspPrimeira brasileira a estrear no K-Pop
Grupo de 5 garotas, sendo 3 sul-coreanas, uma brasileira e uma belga (div. YouTube)

O girls group Blackswan, do K-Pop, tem estreia marcada na sexta-feira (16) com o single Tonight.

Publicidade

No grupo sul-coreano, além das 3 nativas tem uma belga e a brasileira, todas poliglotas. No total falam 6 idiomas: coreano, inglês, espanhol, francês, holandês e português.

O novo grupo tem a aspiração de se tornar um ídolo global, desafiando a indústria musical com suas habilidades diferenciadas. 

Embora tenha adotado o nome de Leia no grupo e nas redes sociais, a paranaense chama-se Alessandra Ayumi, tem 19 anos, e é de Curitiba. Além do português, sua língua natal, e japonês, está se esforçando no idioma coreano.

&nbspPrimeira brasileira a estrear no K-Pop
Leia, de Curitiba (div. YouTube)

“É como um sonho a minha estreia como primeira brasileira no K-Pop. O nosso objetivo final é chegar como o BTS. Vamos ser as melhores do mundo”, declarou Leia.

Em julho, foram designadas como embaixadoras do condado PyeongChang junto com o cantor Na Tae-joo e K-Tigers Zero, garantindo fãs no país e no exterior, através de várias promoções de pré-estreia.

A música de estreia foi produzida pela famosa americana Melanie Fontana, cantora e compositora, a qual trabalhou com canções para Justin Bieber, BTS e outros. 

O grupo está no Insta (toque aqui). Assista à chamada para o lançamento e veja os comentários da torcida por Leia.

Fontes: Kstyle, divulgação e RIC


Vamos comentar?

Outras Notícias

.
Passagens Aereas para o Brasil
Casa Própria no Japão
Produtos Brasileiros no Japão
Produtos Brasileiros no Japão - Mugen Foods
Empregos no Japão - Konishi Sangyo
Fujiarte - Empregos no Japão
FUJIARTE - Empregos no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Produtos Brasileiros no Japão