Turismo em Bali poderá ser reaberto em julho, diz ministro indonésio

Publicado em 29 de maio de 2020, em Ásia

O ministro revelou que os planos para reabrir a economia e entrar em uma fase de novo normal serão implementados em estágios.

Neste Artigo:
&nbspTurismo em Bali poderá ser reaberto em julho, diz ministro indonésio
Na imagem, o Viceroy Bali, acomodação 5 estrelas em Ubud, Bali, Indonésia (ilustrativa/PM)

O destino de férias mais popular da Indonésia, Bali, deve estar pronto para retomar seus negócios em julho, disse o ministro de planejamento de desenvolvimento nacional do país na quinta-feira (28).

Publicidade

Os negócios em Bali foram fechados nos últimos dois meses devido à pandemia de Covid-19, resultando em uma desaceleração econômica de 1,14%. Isso torna Bali uma das regiões mais economicamente afetadas na Indonésia, de acordo com o governo.

O plano para reabrir a indústria de turismo de Bali ocorre após o número total de casos de Covid-19 reportados na ilha ter se mantido relativamente baixo, a 420, desde a quinta-feira. Há mais de 24 mil casos a nível nacional.

Até agora, mais de 300 pessoas se recuperaram e 4 morreram em Bali. A taxa de mortalidade da província é de cerca de 1%, disse o ministro para planejamento de desenvolvimento nacional Suharso Monoarfa em uma coletiva de imprensa da força-tarefa para Covid-19.

Bali tem uma população de 4,2 milhões de pessoas. No ano passado, 6,3 milhões de turistas estrangeiros visitaram a ilha.

“O governo de Bali conseguiu gerenciar a situação muito bem. Esperamos que Bali esteja pronta para abrir para os negócios em breve em julho”, disse o ministro.

“Entretanto, novos protocolos devem ser seguidos quando as atividades econômicas forem abertas”.

Ele acrescentou que Bali parece ter contido a Covid-19 devido a uma liderança de estrutura bem definida, a qual envolveu líderes tradicionais na comunidade e guardas que trabalham voluntariamente.

“Eles vistoriam visitantes que entram nas vilas, evitam a formação de grandes aglomerações, monitoram ordens de quarentena e garantem que as pessoas sigam protocolos da Covid-19 como uso de máscaras e lavagem das mãos frequentemente”, disse Monoarfa.

O ministro revelou que os planos para reabrir a economia e entrar em uma fase de novo normal serão implementados em estágios. As medidas dependerão de três critérios como o número básico de reprodução – o qual representa o número de infecções estimadas desencadeadas de um único caso – caindo abaixo de 1.

A prontidão de sistemas de saúde, como a capacidade de hospitais e instalações de emergência, também é exigida junto com a capacidade de vigilância indicada pelo número de testes.

No início desta semana, o governo indonésio despachou soldados e a polícia para reforçar medidas de distanciamento social sob um cenário de “novo normal” e disse que Jakarta provavelmente estaria pronta para isso após 4 de junho, o último dia de restrições da Covid-19 na capital.

Na manhã de quinta-feira, o ministro de turismo e economia criativa Wishnutama Kusubandio disse que atividades turísticas poderiam ter permissão para serem retomadas após uma província ou cidade entrar na fase de novo normal.

Enquanto isso, o ministro de relações exteriores Retno Marsudi disse na quinta-feira que a questão de retomar viagens dentro da ASEAN (Associação de Nações do Sudeste Asiático) ainda está sendo discutida.

“A discussão ainda está no estágio de preparação e ainda temos que decidir o prazo”, disse Marsudi.

Foi reportado antes que estados membros da ASEAN haviam concordado que reavivamento mais amplo do setor de turismo exigirá colaboração em várias questões, incluindo um conjunto comum de declarações de saúde e verificações de viajantes.

Fonte: Channel News Asia


Vamos comentar?

Outras Notícias

.
Passagens Aereas para o Brasil
Casa Própria no Japão
Produtos Brasileiros no Japão
Produtos Brasileiros no Japão - Mugen Foods
Empregos no Japão - Konishi Sangyo
Fujiarte - Empregos no Japão
FUJIARTE - Empregos no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Produtos Brasileiros no Japão