Ilha que não permite a entrada de mulheres poderá se tornar local de Patrimônio Mundial

Publicado em 19 de Maio de 2017, em Conhecendo o Japão

Ilha no Japão que não permite a entrada de mulheres poderá se tornar local de Patrimônio Mundial da UNESCO. Saiba mais.

&nbspIlha que não permite a entrada de mulheres poderá se tornar local de Patrimônio Mundial
A ilha sagrada de Okinoshima (Wikimedia/Ministry of Land, Infrastructure, Transport and Tourism)

Não são todas as pessoas que consideram uma visita à Okinoshima, uma pequena ilha ao largo da costa do Mar do Japão.

Isso pode mudar brevemente, visto que o Conselho Internacional de Monumentos e Locais, um órgão consultivo, recomendou a ilha para ser um local de Patrimônio Mundial da UNESCO. Segundo a reportagem do Japan Times, a recomendação será apoiada durante uma reunião em julho do Comitê de Patrimônio Mundial da UNESCO em Cracóvia, na Polônia.

Enquanto o status daria à ilha um reconhecimento de nome internacional e provavelmente atrairia o interesse dos visitantes, muitos turistas enfrentariam obstáculos: as mulheres não têm permissão para colocar os pés na ilha. Os sacerdotes que moram em Okinoshima permitem apenas a visita de homens, um dia por ano.

A ilha é mergulhada na tradição da religião xintoísta, sendo lar para o Okitsu, um dos 3 pequenos santuários (em ilha vizinhas separadas) que juntos formam o Grande Santuário de Munakata. Esses santuários veneram 3 divindades que, como diz a lenda, eram filhos de Susanoo-no-Mikoto, o deus do mar e das tempestades, de acordo com o Japan Times. O santuário Okitsu, por exemplo, venera a deusa Tagorihime.

Entre os séculos 4 e 9, as águas em volta das ilhas eram lar de importantes rotas comerciais do Japão para a China e a Península Coreana. Os santuários eram uma maneira de pedir aos deuses para proteger os navios. Durante aquela época, divulgou o Smithsonian, leais deixaram no local cerca de 80.000 oferendas como espadas, rosários e espelhos.

Entrada proibida de mulheres

Essas tradições e os 80.000 artefatos que eles produziram são o motivo pelo qual a ilha pode ser denominada como um local de Patrimônio Mundial da UNESCO. Mas eles também ditam muitas das regras rigorosas da ilha que algumas pessoas acham ultrapassadas e ofensivas, como a entrada proibida de mulheres.

Há várias explicações para a proibição, mas alguns dizem que é porque a menstruação pode desonrar o local“, segundo a reportagem do Japan Times. “O xintoísmo trata o sangue como impureza”.

Visitas somente uma vez ao ano

Os homens devem se despir e executar um ritual de limpeza antes de pisar na ilha, de acordo com a reportagem da BBC. A razão desse ritual é pouco clara, visto que eles não têm permissão para dizer a ninguém os detalhes da viagem e nem carregar nada para fora da ilha, até mesmo uma folha de grama.

Os visitantes podem entrar na ilha somente no dia 27 de maio, durante o festival anual realizado no local para “confortar os espíritos dos militares japoneses e russos que morreram durante a Batalha Naval do Mar do Japão próximo à Okinoshima em 1905”, divulgou o Mainichi. Mesmo assim, somente 200 são selecionados para participar.

No restante do tempo, os sacerdotes do Santuário Munakata são as únicas pessoas encontradas na ilha.

Oposição à inclusão potencial de Okinoshima como um local de Patrimônio Mundial

Alguns se opuseram publicamente à inclusão potencial de Okinoshima como um local de Patrimônio Mundial, como a Sociedade Universal de Hinduísmo com sede nos EUA, que pediu à UNESCO que não aprove o local, divulgou a Eurasia Review.

Se a ilha for nomeada, muitos afirmam que suas regras não vão mudar.

“Nossa postura continuará inalterada mesmo se Okinoshima for registrada na lista de Patrimônio Mundial”, disse um representante do Grande Santuário de Munakata ao Mainichi.

Takayuki Ashizu, sacerdote chefe do Grande Santuário de Munakata, concordou, dizendo ao Japan Times: “não abriríamos Okinoshima ao público mesmo se a ilha for inscrita na lista de Patrimônio Mundial da UNESCO porque as pessoas não deveriam visitá-la apenas por curiosidade”.

Fonte: Washington Post
Imagem: Wikimedia

Deixe seu comentário nesta página!

Neste Artigo:

Outras Notícias

.
Passagens Aereas para o Brasil
Casa Própria no Japão
Mudanças para o Brasil
Produtos Brasileiros no Japão
Produtos Brasileiros no Japão - Mugen Foods
Clínica Dental ai - atendimento em português
Empregos no Japão - Konishi Sangyo
Empregos no Japão - Team Altas
Empregos no Japão - KOWA
KOWA - Trabalhe com segurança!
UNIP - Faculdade à distância no Japão!