Pokémon Go: pai que perdeu filho chama a atenção para os perigos do smartphone

Publicado em 28 de outubro de 2017, em Sociedade

Faz 1 ano que um menino de 9 anos foi morto em Aichi por um motorista de caminhão que jogava Pokémon Go. O pai segue fazendo palestras alertando jovens sobre os perigos do smartphone.

&nbspPokémon Go: pai que perdeu filho chama a atenção para os perigos do smartphone
Faz 1 ano que o pequeno Kenta morreu após ser atingido por um caminhão conduzido por um motorista que jogava Pokémon Go. O pai segue fazendo palestras alertando jovens sobre os perigos do smartphone (Chukyo TV/reprodução)

Um ano se passou desde o dia em que um menino de 9 anos foi morto na cidade de Ichinomiya (Aichi) por um motorista de caminhão que jogava Pokémon Go. O pai da criança continua visitando escolas de ensino médio como parte de uma campanha para eliminar “a execução de tarefas enquanto se usa um smartphone”.

Takatoshi Noritake, professor de 47 anos, perdeu seu filho Keita após ele ser atingido por um caminhão quando voltava da escola para casa em 26 de outubro de 2016. O motorista foi sentenciado a 3 anos de prisão em março de 2017 por direção negligente que resultou em morte.

Após o julgamento, colegas professores pediram a Takatoshi para realizar palestras sobre a segurança no tráfego. O pai concordou, parcialmente porque ele achou preocupante o fato de estudantes do ensino médio andarem de bicicleta segurando o smartphone em uma mão e usarem fones no ouvido.

“Estudantes do ensino médio logo poderão dirigir. O ato de executar outras tarefas enquanto se usa o smartphone cria vítimas, e isso também cria infratores. Transmitindo minha alma em relação ao que Keita poderia ter se tornado e a tristeza sentida por nossa família (nas palestras) é uma maneira de honrar meu filho”, explica o pai.

Valorizar a vida

Durante as palestras, Takatoshi mostra aos estudantes cartas que Keita entregou a ele antes de sua morte. Aparentemente, Keita responderia de uma maneira tipicamente de criança sempre que ele recebia elogios como “Você cresceu muito”. O professor também fala sobre o irmão mais velho de Keita que, em lágrimas, tenta consertar a garrafa térmica do pequeno garoto que ficou deformada no acidente.

Com lembranças tristes com essas, Takatoshi ajuda os estudantes a valorizarem a importância da vida.

As palestras, claramente, tiveram um impacto positivo. Por exemplo, uma vez Takatoshi recebeu uma carta de uma estudante do ensino médio que havia cortado os pulsos em várias ocasiões, dizendo, “Sinto como se me dissessem que eu deveria aproveitar o máximo de minha vida”.

Takatoshi dorme em um quarto onde está a urna com as cinzas de seu filho, junto a um altar rodeado de fotografias.

Toda manhã, Takatoshi vai até o cruzamento onde Keita morreu e conversa com ele. Um semáforo foi instalado na área em agosto. “Lá, parece que Keita está me apoiando, me oferecendo palavras de encorajamento como “Siga adiante, pai!”, explica ele. Takatoshi está determinado a continuar realizando a campanha para impedir que as pessoas tentem fazer outras coisas enquanto mexem na tela de seus smartphones.

De acordo com a Agência Nacional de Polícia, cerca de um milhão de pessoas são presas todos os anos por dirigir enquanto usam um telefone celular. Em 2016, o número foi de aproximadamente 960 mil.

Fonte: Mainichi
Imagem: Chukyo TV

Deixe seu comentário nesta página!

Neste Artigo:

Outras Notícias

.
Passagens Aereas para o Brasil
Casa Própria no Japão
Mudanças para o Brasil
Produtos Brasileiros no Japão
Produtos Brasileiros no Japão - Mugen Foods
Clínica Dental ai - atendimento em português
Empregos no Japão - Konishi Sangyo
Empregos no Japão - Team Altas
Empregos no Japão by Fujiarte
Waysu - Empregos com segurança!