Marca de luxo Burberry queima bolsas e roupas não vendidas no valor de milhões

Publicado em 20 de julho de 2018, em Notícias do Mundo

A Burberry, marca britânica de luxo, destruiu roupas, acessórios e perfumes não vendidos no valor de 37,8 milhões de dólares no ano passado para proteger sua marca.

&nbspMarca de luxo Burberry queima bolsas e roupas não vendidas no valor de milhões
A Burberry não é a única empresa a ter que lidar com estoque de luxo em excesso

A britânica Burberry, marca da moda de gama alta, destruiu roupas, acessórios e perfumes não vendidos no valor de 37,8 milhões de dólares no ano passado para proteger sua marca.

Isso leva o valor total de produtos que ela destruiu nos últimos cinco anos para mais de 116 milhões de dólares.

Empresas de moda, incluindo a Burberry, destroem itens não vendidos para evitar que eles sejam roubados ou vendidos a preços baratos.

A Burberry disse que a energia gerada da combustão de seus produtos foi capturada, tornando-a amigável ao ambiente.

“A Burberry tem processos cuidadosos em curso para minimizar a quantidade de estoque em excesso do que produzimos. Em ocasiões quando a eliminação de produtos é necessária, fazemos então de uma maneira responsável e continuamos a buscar maneiras para reduzir e reavaliar nossas perdas”, disse um porta-voz para a empresa.

Ao longo dos últimos anos, a Burberry vem trabalhando duro para tornar sua marca exclusiva novamente após ela ter passado por uma fase quando falsificadores estavam “colocando a marca Burberry em qualquer coisa que eles pudessem”, disse Maria Malone, palestrante principal no negócio de moda na Universidade Metropolitana de Manchester.

Destruir produtos não vendidos faz parte do processo, disse ela.

“A razão pela qual eles estão fazendo isso é para que o mercado não seja inundado com descontos. Eles não querem que os produtos da Burberry caiam em mãos de alguém que possa vendê-los a preços baratos e desvalorizem a marca”, disse Malone.

A Burberry não é a única empresa a ter que lidar com estoque de luxo em excesso.

A Richemont, proprietária das marcas Cartier e Montblanc, teve que comprar de volta relógios no valor de 744 milhões de dólares nos últimos dois anos.

Segundo analistas, parte desses relógios poderia ser reciclada, mas a maioria seria descartada.

Fonte: BBC
Imagem: Banco de imagens

Deixe seu comentário nesta página!

Neste Artigo:

Outras Notícias

.
Passagens Aereas para o Brasil
Casa Própria no Japão
Produtos Brasileiros no Japão
Produtos Brasileiros no Japão - Mugen Foods
Empregos no Japão - Konishi Sangyo
Empregos no Japão - Team Altas
Estude Japonês no Kumon
Fujiarte - Empregos no Japão
WAYSU - Empregos no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Apartamentos para alugar no Japão