Acusadas pelo assassinato de Kim Jong-nam se declaram inocentes

Publicado em 2 de outubro de 2017, em Ásia

Se forem consideradas culpadas, elas podem receber pena de morte. Kim Jong-nam, meio-irmão do líder norte-coreano Kim Jong-un, foi envenenado no Aeroporto de Kuala Lumpur, na Malásia.

&nbspAcusadas pelo assassinato de Kim Jong-nam se declaram inocentes
A vietnamita Doan Thi Huong, de 29 anos (à esq.) e a indonésia Siti Aisyah, de 25 anos (à dir.) acusadas de matar o Kim Jong-nam, meio-irmão do atual líder norte-coreano, Kim Jong Un (Sankei/reprodução)

As duas mulheres acusadas pelo assassinato de Kim Jong-nam, o meio-irmão do líder norte-coreano Kim Jong-un, se declararam inocentes enquanto o julgamento das duas é iniciado nesta segunda-feira (2) na Malásia. A expectativa é de que o tribunal avalie se o governo norte-coreano tenha ordenado o assassinato.

Publicidade

Siti Aisyah, de 25 anos, natural da Indonésia e Doan Thi Huong, de 29, do Vietnã, são acusadas de ter “intenção comum” com quatro norte-coreanos, ainda foragidos, de matar Kim Jong-nam no saguão de partida do terminal de companhias aéreas de baixo custo do Aeroporto Internacional de Kuala Lumpur no dia 13 de fevereiro deste ano.

As duas mulheres enfrentarão pena de morte se forem condenadas por assassinato. O julgamento de alto perfil está em curso no Tribunal de Shah Alam no estado de Selangor.

As mulheres supostamente esfregaram o agente nervoso VX, altamente letal, no rosto de Kim Jong-nam, o filho mais velho do ex-líder norte-coreano Kim Jong Il, meio-irmão do atual líder norte-coreano Kim Jong-un. O VX é listado como uma arma de destruição em massa pelas Nações Unidas e proibido pela Convenção de Armas Químicas de 1993.

A polícia malaia buscou assistência da Interpol em deter quatro norte-coreanos que fugiram da Malásia algumas horas após o assassinato. Esses quatro homens estão entre os oito norte-coreanos os quais a polícia identificou terem ligações ao assassinato.

Três norte-coreanos em tal lista buscaram refúgio na Embaixada Norte-Coreana em Kuala Lumpur após o assassinato. A polícia malaia eventualmente conseguiu interrogar todos os três e, depois, permitiu a eles retornarem à Coreia do Norte.

No início de março, o único norte-coreano formalmente detido pela polícia malaia foi liberado e deportado devido à falta de evidência.

A polícia malaia afirmou que as mulheres sabiam o que elas estavam fazendo, mas seus advogados insistem que elas são vítimas inocentes enganadas no pensamento de que elas estavam participando de uma pegadinha para um programa de televisão. Ambas supostamente não tinham ideia quem era Kim Jong-nam.

Fonte: Kyodo
Imagem: Sankei


Deixe seu comentário nesta página!

Neste Artigo:

Outras Notícias

.
Passagens Aereas para o Brasil
Casa Própria no Japão
Produtos Brasileiros no Japão
Produtos Brasileiros no Japão - Mugen Foods
Empregos no Japão - Konishi Sangyo
Empregos no Japão - Team Altas
Fujiarte - Empregos no Japão
WAYSU - Empregos no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Apartamentos para alugar no Japão
Empregos no Japão - World